sábado, 23 de abril de 2011

Salve Salve!!!


"Eu andarei vestido e armado, com as armas de São Jorge. 
Para que meus inimigos tendo pés não me alcancem;
Tendo mãos não me peguem;
Tendo olhos não me exerguem;
E nem em pensamentos eles possam me fazer mal..."

Porque hoje é o dia dele, e eu como boa filha e devota, aproveito a data para prestar minha homenagem ao meu Santo Guerreiro, que tanto me inspira, guia, protege e  socorre.
(Ai de mim sem ele, na hora das roubadas...)

São Jorge nasceu na Capadócia no ano de 280. 
No final do século III, o cristão Jorge trocou a Capadócia, na Turquia, pela Palestina, vindo a ingressar no exército romano de Diocleciano. 
Jorge logo se destacou, sendo elevado a conde e depois a tribuno militar. 
Tudo ia bem, até que as perseguições aos seguidores de Cristo reiniciaram.
O imperador tinha planos de matar todos os cristãos e no dia marcado para o senado confirmar o decreto imperial, Jorge levantou-se no meio da reunião declarando-se espantado com aquela decisão, e afirmou que os romanos deviam se converter ao cristianismo.
Todos ficaram atônitos ao ouvirem estas palavras de um membro da suprema corte romana, defendendo com grande ousadia a fé em Jesus Cristo. Indagado por um cônsul sobre a origem dessa ousadia, Jorge prontamente respondeu-lhe que era por causa da Verdade. 
O tal cônsul, não satisfeito, quis saber:  
- O que é a Verdade?
 Jorge respondeu-lhe: 
- A Verdade é meu Senhor Jesus Cristo,  a quem vós perseguis, e eu sou servo de meu redentor, e Nele confiando me pus no meio de vós para dar testemunho da Verdade.
Jorge não quis negar sua fé, fazendo com que Diocleciano se sentisse traído. 
O imperador, então, condenou-o às mais terríveis torturas, e Jorge consegiu vencer a todas elas. 
Impassível, uma dor atrás da outra, o filho da Capadócia suportou as lanças dos soldados; Permaneceu firme sob o peso de uma imensa pedra, obteve a cicatrização imediata das navalhadas que recebeu e resistiu ao calor de uma fornalha de cal. 
A cada vitória sobre as torturas, Jorge ia convertendo mais e mais soldados. 
O imperador, contrariado, chamou um mago para acabar com a força de Jorge. O santo tomou duas poções e, mesmo assim, manteve-se firme e vivo. 
O feiticeiro juntou-se à lista dos convertidos, assim como a própria esposa do imperador. Estas duas últimas "traições" levaram Diocleciano a mandar degolar o ex-soldado em 23 de abril de 303, em Nicomédia.
Os restos mortais de São Jorge foram transportados para a cidade em que crescera com sua mãe; Lá ele foi sepultado, e mais tarde o imperador cristão Constantino mandou erguer um suntuoso oratório aberto aos fiéis, para que a devoção fosse espalhada por todo Oriente.
Com o passar do tempo, São Jorge conquistou fiéis também pelo Ocidente.
Durante a I Grande Guerra, muitas medalhas de São Jorge foram cunhadas e oferecidas aos enfermeiros militares e às irmãs de caridade que se sacrificaram ao tomar conta dos feridos de guerra.
Conta-se ainda que o bravo militar matou um dragão para salvar a filha do rei de Selena e todos os habitantes desta cidade Líbia...
A ligação de São Jorge com a lua é algo puramente brasileiro, com forte influência da cultura africana.  Na religião da umbanda, o santo é chamado de Ogum.
A tradição diz que as manchas apresentadas pela lua representam o milagroso santo, seu cavalo e sua espada pronto para defender aqueles que buscam sua ajuda.

Lenda ou realidade, São Jorge é para mim a lembrança constante de que somos sim, guerreiros nas batalhas da vida, sejam elas nossas imperfeições ou problemas que nos afetam dia-a-dia. 
E, como ele, devemos permanecer combatentes, fortes e corajosos, sempre crendo na força do Bem, independente dos desafios que a vida nos traga. 
Assim, como Jorge, fortes na Fé, havemos de vencer.

Salve São Jorge Guerreiro! 

Trilha Sonora: Zeca pagodinho - Prá São Jorge