sábado, 28 de agosto de 2010

Era uma vez...

Lembra de quando você era pequena, e ficava sonhando acordada, ouvindo todos aqueles Contos de Fadas maravilhosos, que incluíam um príncipe, uma princesa, alguém muito mau, uma torre e um final feliz???? Pois é... Se eu pudesse arriscar, diria que alí começam nossos problemas... Você cresce mais um pouco, e é a vez de Hollywood cair matando, com direito a todos os clichês possíveis e imagináveis, que convencem qualquer mulher de que o cara pefeito é o que pára na sua janela com um ramalhete de flores, no melhor estilo Richard Gere em Pretty Woman, representando a classe dos príncipes modernos... Está feito o rolo!!! A imagem do amor perfeito, da pessoa perfeita já está sacramentada.  
O que os livros e filmes esquecem de nos dizer é que, durante a nossa História pessoal, vamos sim cruzar com vários personagens (no sentido literal da palavra) ... mas é muito, muito provável que eles não tenham nada a ver com aquele príncipe idealizado ( muito embora seja esta a imagem que queiram e tentem nos passar), e estarão mais para híbridos de Peter Pan + Pinóquio + Homem de lata + Leão covarde... Isso se não for o próprio Dick Vigarista... (Ahh, que para cara de pau, definitivamente, não há limites minha gente!!) Caaaaalma, não perdi a fé total no ser Humano (ainda), sei que gente à toa existe aos milhares, sejam homens ou mulheres, mas que no final tornam-se insignificantes, mediante os milhões de pessoas legais que também encontramos por este mundão afora...  
O que quero dizer, é que este tipo de "gente-personagem" deveria nos servir como alertas ambulantes.  
Ser Humano é humano - o que por si, já exclui o uso da palavra perfeição - e vem composto desta mistura de carne, osso, pensamentos e todas suas qualidades e defeitos, de verdade. Ou seja, focar no esteriótipo de perfeição é roubada!!! (Até porque, em geral, quando este nos é apresentado, não é real).  
Prefira mesmo a realidade; Pessoas reais, defeitos reais, que embora (lógico) sejam amenizados em um primeiro instante, (caso contrário nenhum relacionamento ultrapassaria a primeira semana...) não têm a pretensão de nos convencer de algo que não o são.  
Melhor mesmo ligarmos nossos radares com aquelas pessoas que em poucos instantes concordam com exatamente tudo que dizemos, e fazem questão de estarem sempre tomando atitudes que são sabidamente as que esperaríamos da dita pessoa perfeita, omitindo seus verdadeiros contextos...  
Posso estar redondamente enganada, mas até hoje não vi nenhuma exceção a esta regra... Velhos ditados sobrevivem por um único motivo, são infalíveis: "Esmola demais o santo desconfia" ou " Isto está perfeito demais prá ser verdade"... Simples assim; Defeitos reais têm muito mais valor do que qualidades falsas. Quem nunca se deparou com aquela pessoa que parecia ser "tudo de bom", mas que no final das contas, percebe-se ter sido construída, com intuito de impressionar, tentando passar-se por algo que nunca foi? 
Da mesma forma, talvez você tenha conhecido alguém que, por tamanha autenticidade e transparência ao expor seus próprios defeitos, o tenha feito chegar a conclusão que, embora cheia de qualidades, ainda não era a pessoa dos seus sonhos... 
Devo dizer, ela era muito melhor... Ela era real!!!!
Então, ao invés de reclamar, agradeça (sim, a- gra- de-ça!!!) aos defeitos expostos, por conhecer o enredo do qual você passa a fazer parte, e qual seu exato papel nele. 
E caso este não seja assim, digno de um "Conto de Fadas", ao menos você poderá exercer seu poder de escolha, e definir até que capítulo desta História estará disposto a participar...  
Fora isso, só mesmo o tempo para mostrar o que é real, o que é imaginário, quem é de verdade, quem é de mentira e as diferenças e semelhanças entre o ser humano e o personagem.